Maracanã, município do Pará

Thumb
Maracanã



ASPECTOS HISTÓRICOS E CULTURAIS

HISTÓRICO

A origem do município de Maracanã, está relacionada a uma missão catequista dos jesuítas, na aldeia dos índios Maracanã, já existente no local, e instalada em 1653, na época da chegada do padre Antônio Vieira ao Pará.

Seu progresso da missão foi célere, tanto que em 1700 já ganhava foros de Freguesia.

Em 1758, após a expulsão dos jesuítas, o governador da Província do Grão-Pará Francisco Xavier de Mendonça Furtado obedecendo à política adotada pelo Marquês de Pombal, que expulsava todos os jesuítas de Portugal e de suas colônias, e em cumprimento a uma determinação real, deixou Belém em direção ao Rio Negro, para acertar os limites das terras dos reinos de Portugal e Espanha. Em cumprimento, também, a uma outra determinação, de 6 de junho de 1755, para que erigisse em Vila todas as povoações que julgasse merecer essa elevação, assim deu à aldeia dos Maracanãs o predicamento de Vila, com a denominação de Cintra, de origem portuguesa dentro da política de substituir as denominações indígenas por topônimos de Portugal.

O primeiro Senado da Câmara foi instalado em 1763, constituído pelo juiz ordinário Anacleto da Costa Vaz.

Em 1833, no período de 10 a 17 de maio, o Conselho do Governo do Pará, tratou de nova organização administrativa da Província. Com relação ao município de Cintra, este foi mantido com um extenso território, compreendendo a área de alguns povoados que, em não se conhecendo as suas denominações iniciais sabe-se que, hoje em dia, correspondem às áreas dos municípios de Maracanã, Marapanim, Santarém Novo e Salinópolis, além de uma parte de Igarapé-Açu.

Em 1874, Cintra perdeu a área do povoado de Marapanim, elevado à categoria municipal, mediante a Lei nº 802, de 4 de março desse ano.

No ano de 1882 o município de Cintra teve seu território desmembrado para dar reintegração ao município de Salinópolis, através da Lei nº1.081, de 2 de novembro. Entretanto em 1930 o município de Salinópolis foi extinto e seu território foi novamente anexado ao território de Cintra, permanecendo, assim, até o ano de 1933, data em que foi restabelecido.

No dia 11 de novembro de 1885, a Lei Provincial nº 1.290 elevou Cintra à categoria de cidade.

Com o advento da República e dentro da nova organização municipal, o Governo Provisório do Pará, através do Decreto nº 91, de 10 de março de 1890, extinguiu a Câmara Municipal de Cintra. No mesmo dia, e pelo Decreto nº 92, criou o Conselho de Intendência Municipal, nomeando para Presidente Benjamin Ardasse Pinto Carrera.

Santarém Novo, povoado do município de Cintra, foi elevado à categoria de Freguesia, no dia 23 de outubro de 1868, através da Lei Provincial nº 584. No dia 12 de agosto de 1890, o Decreto nº 176 concedeu à Freguesia de Santarém Novo o reconhecimento como Vila e sua elevação a Município, desmembrado, assim, do território de Cintra, desconhecendo-se a sua denominação inicial.

Na época em que Paes de Carvalho governava o Estado, o Cônego Ulisses de Pennafort nomeado vigário de Cintra, deu início a uma campanha, destinada a fazer com que o nome do Município voltasse a denominação primitiva, ou seja, Maracanã. O Congresso do Estado atendeu às reivindicões e, no dia 28 de maio de 1897, através da Lei nº 518, o Município voltou a possuir o seu antigo topônimo.

Nas reformulações político-administrativas acontecidas no ano de 1906, através de Lei nº 985, de 26 de outubro, o Município de Santarém Novo, que decaíra completamente, foi extinto. Como não se pode anexar o seu território aos dos municípios vizinhos, sob o perigo de decadência dos mesmos, o Congresso do Estado achou por bem criar uma outra unidade municipal, com parte das terras de Santarém Novo, dando origem ao município de Igarapé-Açu, sendo que a outra parte de seu território ficou anexada ao município de Maracanã.

Durante o tempo que passou anexado ao município de Maracanã, Santarém Novo foi considerado distrito deste.

Com a Lei nº 985, de 26 de outubro de 1906, o município de Santarém Novo foi extinto e incorporado o seu território ao de Maracanã. No dia 29 de dezembro de 1961, através da Lei nº 2.460, no governo de Aurélio do Carmo, Santarém Novo foi, finalmente, reconduzido à categoria de Município, desmembrando-se suas terras das do município de Maracanã

Atualmente, o município de Maracanã é constituído pelos distritos de Maracanã (sede), Boa Esperança e São Roberto.

CULTURA

As festividades religiosas do Município tem lugar nos meses de setembro, novembro e dezembro. No mês de setembro, no período de 19 a 27, o povo de Maracanã cultua São Miguel Arcanjo, o Santo padroeiro da cidade. Em novembro, no segundo domingo, é realizado o Círio de Nossa Senhora de Nazaré. No mês de dezembro, entre os dias 26 e 28, é a vez de homenagear São Benedito, oportunidade em que são realizadas procissões, arraiais e novenas.

Na cultura maracanaense, destacam-se o Carimbó, os Bois-Bumbás e os Pássaros, celebrados no mês de junho.

No artesanato, destacam-se as embarcações de pesca e alguns instrumentos para a captura do pescado, como tarrafas e currais.

No que se refere aos equipamentos culturais, o Município dispõe de uma biblioteca e uma Casa da Cultura.

ASPECTOS FÍSICO-TERRITORIAIS

LOCALIZAÇÃO

O município de Maracanã pertence à Mesorregião Nordeste Paraense e à Microrregião Salgado.

A sede municipal, tem as seguintes coordenadas geográficas: 00º 46' 03" latitude Sul e 47º 27' 12" de longitude a Oeste de Greenwich.

LIMITES

Ao Norte - Oceano Atlântico
À Leste - Municípios de Salinópolis, Santarém Novo e São João de Pirabas
Ao Sul - Município de Igarapé-Açu
A Oeste - Municípios de Marapanim e Magalhães Barata

SOLOS

Os solos do Município são classificados como Latossolos Amarelo textura média e Concrecionários Laterísticos, localizados nas áreas de Terra Firme, solos Hidromórficos Indiscriminados e Aluviais, encontrados nas margens dos rios; e solos Indiscriminados de Mangues, nas áreas semilitorâneas e litorâneas.

VEGETAÇÃO

No Município, ainda, existem tratos recobertos pela mata original de terra firme cujo subsolo é de Floresta Densa dos baixos platôs. Porém, com a intensidade dos desmatamentos hoje predominam Florestas Secundárias ou Capoeiras, em vários estágios de regeneração. A vegetação de várzea se distribui nas margens sinuosas dos rios Caripi e Maracanã. Na porção semilitorânea e litorânea, há o domínio do manguezal.

PATRIMÔNIO NATURAL

A alteração da cobertura vegetal NATURAL, medida em imagens LANDSAT-TM, do ano de 1986, estavam em 58,86%.

A zona costeira é, ecologicamente, a mais importante, visto que o ecossistema de manguezal é fundamental para o equilíbrio da cadeia alimentar. É necessária a preservação de suas belíssimas praias, como Marieta e Algodoal e AS ilhas Algodoal, Maiandeua, Cumaru e do Mar.

TOPOGRAFIA

A variação altimétrica apresentada pelo Município é muito pequena, e insignificantes são os valores médios de suas cotas, em torno de 5 metros. Praticamente situado ao nível do mar, apresenta cota máxima de 74 metros (na parte continental do Município).

GEOLOGIA E RELEVO

A estrutura geológica desse Município é similar à de toda a microrregião Bragantina, com a dominância dos sedimentos Terciários da Formação Barreiras, principalmente NO interior (terra firme) do Município, e por sedimentos inconsolidados do Quaternário Subatual e Recente, localizados na sua porção setentrional, NO estuário do rio Maracanã (sedimentação fluvio-marinha).

Seu relevo através de suas formas singelas, está inserido na unidade morfoestrutural Planalto Rebaixado do Amazonas (da zona Bragantina) e "Litoral de Rias". São característicos tabuleiros ou baixos platôs, aplainados e dissecados, terraços e áreas de várzeas.

HIDROGRAFIA

Dois rios se destacam NO Município, o primeiro é o rio Maracanã, o mais importante do Município, nasce NO município de Santa Maria do Pará, passa pelo município de Nova Timboteua e limita a Leste com Santarém Novo e Salinópolis. Possui curso meândrico, com vários afluentes, pertencendo ao Município, apenas os da margem esquerda, sendo os mais importantes os igarapés Mato Grosso, Inuçu e Peri-Açu.

Importante destaque é o Caripi, que tendo seus formadores NO município de Igarapé-Açu, percorre o município de Maracanã até sua foz na baía de Maracanã. Seus afluentes, em ambas AS margens, se encontram todos dentro do Município como os igarapés do Campo, Cupiuba, Curupipino e Açu. Outros rios menos importantes, são o Cuinarana, de pequena extensão, que separa a Oeste Maracanã do município de Magalhães Barata e o rio São Paulo, à Leste, que serve de limite entre Maracanã e Salinópolis. Na baía de Maracanã, NO Oceano Atlântico, encontram-se várias ilhas importantes, como: Maiandeua, do Marco do Curuaru e de Algodoal.

CLIMA

Neste Município, o clima está classificado, segundo Kôppen, como do tipo Am. Possui temperatura elevada, típicas de clima equatorial amazônico, com média de 27º C, porém, com pequena amplitude térmica, face às condições de localização do Município na região do Salgado, beneficiada pelos ventos do mar.

As precipitações estão em torno de 2.000 mm/ano, com maior índice de chuva nos primeiros meses do ano. A disponibilidade hídrica, também se revela maior em fevereiro a abril, e a menor, em setembro e outubro.


Fonte: SEPOF-PA
Portal Amazônia
06/02/2007 - KR

» Conheça Também

Thumb2

Museus

Museu Rede Amazônica

Fundado em 18 de abril de 2002, O Museu Rede Amazônica preserva a história da Rede Amazônica (inaugurada em 1972) e de seus fundadores: Phelippe Daou, Miltom Cordeiro e Joaquim Margarido.

Leia Mais

Thumb2

Turismo

Cascatinha do Amor,Manaus

Localizada no igarapé do Guedes, de águas límpidas e frias, a cascata do Amor, é acessível apenas por via fluvial e, depois, através de uma pequena caminhada pelo meio da floresta. Barcos regionais fazem o trajeto até o local....

Leia Mais