Jorge Tufic

Thumb
Jorge Tufic, poeta e ensaísta, nasceu no município de Sena Madureira, Acre, no dia 13 de agosto de 1930. Descendente de uma família de comerciantes árabes, seu pai desenvolveu suas atividades comerciais nos seringais.

Com o declínio da produção de borracha, transferiu-se, no início da década de 40, para Manaus, onde realizou seus primeiros estudos. Exerceu, durante boa parte de sua vida, a atividade de jornalista.

Com a aposentadoria, afastou-se do funcionalismo público. A partir do início da década de 90, fixou-se em Fortaleza, dedicando-se exclusivamente à literatura. Tufic colabora com o jornal O Povo.

Um dos poetas mais expressivos da moderna literatura amazonense, sua estréia literária aconteceu em 1956, com a publicação de Varanda de Pássaros. O discurso poético de Jorge Tufic se desenrola por um lado, por forte conteúdo existencial.

A outra margem do discurso poético de Tufic se fundamenta nas preocupações formais e no caráter experimental de seu processo de criação.

Sua produção literária é uma evidência de sua identificação com o universo regional, seu esforço em criar uma obra identificada com os mitos, anseios e esperanças do homem da Amazônia.

OBRAS: Poesia: Varanda de pássaros, 1956; Pequena antologia madrugada, 1958; Chão sem mácula, 1966; Faturação do ócio, 1974; Cordelim de alfarrábios, 1979; Os mitos da criação e outros poemas, 1980; Sagapanema, 1981; Oficina de textos, 1982; Poesia reunida, 1987; Retrato da mãe, 1995; Boléka, a onça invisível do universo, 1995. Conto: O outro lado do rio das lágrimas, 1976. Ensaio: Existe uma literatura amazonense, 1982; Roteiro da literatura amazonense, 1983. Crônica: Tio José, 1976. Memória: A casa do tempo, 1987.

» Conheça Também

Thumb2

Cidades

São Luís

São Luís foi fundada pelos franceses em 1612. Por ocasião de sua expulsão em 1615, o engenheiro-mor do Estado do Brasil Francisco Frias de Mesquita veio com a missão de projetar fortificações capazes de assegurar a defesa do sítio......

Leia Mais

Thumb2

Lendas

Lenda da Cestaria

Ela tinha um comprimento fora do comum. A pele, desde a cabeça até o final do corpo, apresentava as cores vermelha e preta. E reunia características da sucuriju e da jibóia. Tuluperê virava embarcações que navegavam nas águas dessa divisa e,......

Leia Mais