Forte do Castelo de Belém

Thumb

O Forte do Castelo constitui um marco da fundação da cidade de Belém, no Pará, tendo surgido em pleno século XVII, no mesmo ano em que a cidade foi fundada. Construído primeiramente de madeira e palha, era denominado Forte do Presépio, em alusão à partida da Frota de Castelo Branco do Maranhão em 25 de dezembro de 1615. Com o decorrer dos anos e após sucessivas modificações, o Forte foi tombado pala União em 1962.

Em 2002, através do Comando da 8a. Região Militar, o Governo do Estado do Pará e o Ministério do Exército formalizaram o contrato de alienação das áreas do Forte e do Palacete das Onze Janelas, que ficava próximo àquele, a partir de então sob a responsabilidade da Secretaria da Cultura, que deveria efetivar a transformação de ambas as áreas em futuros espaços culturais.
 
No Forte do Castelo encontra-se o Museu do Forte do Castelo de São Jorge (Cidade de Belém, símbolo e memória 1616?1912), que foi criado com o intuito de focar a colonização da Amazônia. Com as primeiras prospecções arqueológicas do terreno, o Museu já conta com uma infinidade de fragmentos de artefatos, como um cachimbo; uma espécie de escova de dente em terracota utilizada por índios; uma moeda de ouro da época do Brasil Colonial, de 1792, cunhada no reinado de D. José I, dentre muitos outros. 

Foram retiradas várias partes de construções que, ao longo dos anos, descaracterizaram as instalações originais, procurando-se manter aquelas consideradas pertinentes ao aspecto geral do conjunto. Junto às pesquisas e às prospecções arqueológicas no local, foram encontradas também marcas da antiga Capela do Santo Cristo - datada do período de 1621 e 1626 -, entre o fosso do Forte e o ângulo setentrional do prédio.

O Museu apresentar duas mostras de longa duração: na área interna, são apresentados núcleos temáticos relativos à arqueologia brasileira e amazônica, à arqueologia urbana, à fundação da cidade, e ao próprio Forte, como núcleo fundador da cidade até 1962. Na área externa ficam à disposição os materiais de artilharia do Forte, hoje completamente restaurados, e o mirante, próximo à Baía do Guajará, local de contemplação para a população e para o turismo em geral.

História

A cidade de Belém começou com a ocupação da foz do rio Pará, com a construção do Forte do Presépio e da primeira capela, em 1616, por Francisco Caldeira Castelo Branco .

Localizado na confluência do rio Guamá com a Baia de Guarajá, O então Forte do Castelo foi tombado pelo IPHAN em 1962 e se tornou um ponto turístico da cidade. A construção primitiva era de madeira e coberta de palha.  Em 1622, é reconstruído com forma quadrada, tornando-se assim uma construção mais sólida em taipa de pilão.

Segundo informação do arquivo, a data da primeira reforma seria 1632.

 O forte passou por várias obras em 1712, 1721, 1759, 1773. Em 1832 é desativado por estar em ruínas. Em 1833 passou a ser chamado de Castelo de São Jorge. É semi-destruído pela esquadra imperial durante a revolta de 1835 sendo reconstruído em 1850. As obras acabaram em 1868, o forte contava agora com quartéis, casa, uma ponte sobre o fosso, um portão e uma muralha de pedras pelo lado do mar.

O Arsenal de Guerra se instalou em 1876. Em 1978, houve uma tentativa de tirar o restaurante e o círculo do forte para uma intensa restauração.

Em 1980, após suas muradas terem sido parcialmente destruídas, a edificação passa por obras de emergência para garantir a estabilidade do remanescente.

Em 1983, a SPHAN/proMemória, através da primeira Diretoria Regional, sediada em Belém, realiza obras de conservação e restauração de diversos monumentos do patrimônio inclusive do Forte do Castelo. Sob a responsabilidade do Exército, passou por várias modificações para abrigar a sede social do Círculo Militar de Belém.


 


 


Ficheiro:FortePresepio-CCBY.jpg



» Conheça Também

Thumb2

Animais

Cachara/Surubim/Pintado/Caparari

Nome Comum: Cachara, Surubim, Pintado ou Caparari
Nome Científico: Pseudoplaystoma fasciatum
Classe:
Ordem:  

Leia Mais

Thumb2

Lendas

Lenda da Vitória Régia

Há muitos anos, às margens do  Rio Amazonas,  jovens e belas índias de uma tribo, se reuniram para cantar e sonhar sonhos de amor. Elas ficavam por longas horas admirando a beleza da lua branca e o mistério das estrelas, sonhando......

Leia Mais