Carimbó, dança paraense

Thumb
Considerado uma variação do batuque, o Carimbó é uma dança tipíca do Estado do Pará, e áreas próximas como Bragança, Salinas e Ilha do Marajó.

O nome carimbó aplica-se tanto a dança como a música. Na língua indígena "Carimbó" - Curi (Pau) e Mbó ( Oco ou furado), significa pau que produz som. Em alguns lugares do interior do Pará continua o título original de "Dança do Curimbó". Entretanto, a dança ficou nacionalmente conhecida como "Dança do Carimbó".

O Curimbó ou Carimbó surgiu da necessidade que os negros escravos sentiam de se divertir e a música adaptada das rodas de samba favorecia o distanciamento do estado nostálgico dos escravos que viviam nos sítios e fazendas da região.

Estudiosos em folclore afirmam que o carimbó é única dança brasileira, onde se percebe a influência dos três povos que formam a sociedade brasileira: batuque africano, os instrumentos indígenas e coluna curvada, da forma como dança esse povo e o estalar de dedos dos portugueses.

A coreografia caracteriza-se como uma dança de roda. Homens e mulheres dançam em pares durante um tempo e depois, separam-se para chamada dança solista. Nesta, os dois ganham mais liberdade para dançar.

As roupas são coloridas, os homens usam blusas abertas na frente amarradas com um laço na altura da cintura,calça de pano dobradas na altura do joelho.

As mulheres usam uma saia comprida e flores no cabelo. Ambos fazem suas apresentações descalços. Os instrumentos musicais usados são xeque-xeque, reco-reco, pandeiro, os tambores que dão nome a dança, além dos cantos solos. Esses instrumentos compõem o conjunto musical característico, sem a utilização de instrumentos eletrônicos.

Foto: Paratur

» Conheça Também

Thumb2

Animais

Mamíferos da Amazônia

Onça

A onça é, sem dúvida, o mais temido carnívoro da fauna brasileira. Devido ao seu grande porte (atinge até dois......

Leia Mais

Thumb2

Cidades

Barreirinha, município do Amazonas

Aspectos Históricos

O local ocupado hoje pela cidade de Barreirinha pertenceu primitivamente a Manuel da Silva Lisboa, ?que não podendo suportar as tripolias do índio Crispim de Leão?, abandonou o estabelecimento......

Leia Mais